Construir soluções ganhar-ganhar

Por o 12 Janeiro 2016

O filme “A Ponte”, que selecionámos para visionamento neste artigo, ilustra a importância em adotar uma atitude “ganhar-ganhar”, mesmo em situações nas quais existem práticas anteriores que não nos dão o bom exemplo de ação.


Construir soluções ganhar-ganhar

 

O filme “A Ponte” que selecionámos para visionamento neste artigo, ilustra a importância em adotar uma atitude “ganhar-ganhar”, mesmo em situações nas quais existem práticas anteriores que não nos dão o bom exemplo de ação.

 

É através da comunicação que estabelecemos relações com as outras pessoas. Quando, tudo corre bem, não nos detemos a pensar sobre as características da comunicação entre os interlocutores; e quando existem problemas de relacionamento, o que fazemos?

  • Temos tendência a pretender que o outro mude o seu comportamento, a sua forma de pensar – isto é, nós estamos “certos”, o outro é que está “errado”; por isso, deve mudar!

 

Como lidamos com as situações de tensão interpessoal?

Tomemos em consideração que, em muitas situações, existem dificuldades de comunicação precursoras de conflito. Vamos considerar algumas como exemplo:

  • mal-entendidos, não esclarecidos;
  • as partes envolvidas possuem interesses e/ou necessidades diferentes mas não os percecionam como tal;
  • existem divergências reais e percebidas, no entanto cada uma das partes espera que a outra ceda;
  • comportamentos impulsivos, dos quais podemos não nos dar conta, ou fazê-lo tarde de mais!…

Consideramos que um conflito é caracterizado pela alteração dos estados emocionais dos seus intervenientes, que perderam a capacidade de debater racionalmente divergências de interesses/necessidades e, pelo contrário, sentem que a outra parte representa uma ameaça à sua concretização.

De que outra forma podemos lidar com estas situações?

  • Manter-se calmo/a.
  • Reforçar a sua autoconfiança – ter bem claro qual é o seu propósito/interesse.
  • Considerar o seu interlocutor como um parceiro (não um rival) e estabelecer um diálogo de igual para igual.
  • Escutar ativamente para promover a compreensão mútua – se ambas as partes se sentirem compreendidas tenderão mais facilmente a cooperar e gerar uma solução comum.
  • Focar-se no global, não se prender aos detalhes e não desistir.
  • Manter um pensamento positivo, orientado para a abertura de ideias e soluções.
  • Apresentar as suas ideias como uma oferta, sem impor ou generalizar, mantendo a abertura ao diálogo com a outra parte. Conduzir a conversa de forma a chegarem a um acordo que satisfaça ambas as partes.
  • Pôr em prática – dar o exemplo daquilo em que acredita.
  • Deixar uma porta aberta para futuras oportunidades de relacionamento interpessoal gratificantes.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Avatar

David Margarido Desde 5 anos

Muito util este artigo. Obrigado

Resposta
    Alina Oliveira

    Alina Oliveira Desde 5 anos

    Obrigada David. Se tiver disponibilidade, gostaria que partilhassse de que forma este artigo lhe foi/está a ser útil.
    Cumprimentos.

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe