Liderança e desempenho: as pesquisas de Will Schutz

Por o 18 Janeiro 2018

A liderança é a capacidade pessoal de atrair os outros para um projeto coletivo através de um ato voluntário(1). Quer tenha ou não uma posição hierárquica, a liderança faz a diferença para conseguir um maior desempenho profissional. Sob que medidas pode o líder interagir para entrar na dinâmica de desempenho? O trabalho de Will Schutz (2) dá-nos a resposta.

O desempenho das equipas sob pressão

Reconhecendo que algumas equipas trabalhavam muito bem enquanto noutras o desempenho estava comprometido, a Marinha dos EUA confiou a Will Schutz a missão de entender como os grupos poderiam trabalhar em conjunto e de forma mais eficaz. A sua pesquisa centrou-se nos Centros de Combate e Informação (3) de contratorpedeiros cujo trabalho era analisar diferentes fontes de informação, tomar decisões e emitir ordens, tudo sob pressão.

Will Schutz descobriu que haviam dois componentes essenciais para a capacidade de uma equipa expressar a sua produtividade total: primeiro, cada membro tinha que ter competências técnicas e, em seguida, os membros tinham de trabalhar bem juntos, algo a que ele se refere, no final da sua pesquisa, como compatibilidade. Os resultados da sua pesquisa foram publicados já em 1958 (4). A sua principal descoberta foi o efeito C-P (Compatibilidade-Produtividade), que afirmou que quanto mais compatível é um grupo, melhor ele funciona em conjunto e, portanto, melhor é a sua produtividade.

Esta descoberta foi uma grande ajuda para a Marinha dos EUA. Enquanto anteriormente apenas 50% das equipas eram verdadeiramente produtivas, esta abordagem permitiu alcançar uma pontuação de 75%.

A descoberta dos princípios do Desempenho

Schutz não ficou totalmente satisfeito e fez duas perguntas:

  • Porque é que apenas 75% das equipas, e não 100%, são efetivas quando são compatíveis?
  • Porque é que as pessoas que parecem ser compatíveis podem não funcionar bem juntas?

Mais alguns anos de pesquisa levaram Schutz a explorar novas pistas, como o funcionamento dos sentimentos, emoções, mente, corpo e interação entre esses diferentes componentes para entender como as pessoas alcançam plenamente o seu potencial, como resolvem de forma concreta os seus problemas e trabalham eficazmente em conjunto.

Finalmente, destacou que os problemas nas equipas aparecem quando uma ou mais pessoas são rígidas relativamente às suas posições. São rígidos porque são defensivos devido à falta de confiança. Para remediar esta desvantagem, foi descoberto que as equipas mais poderosas sob pressão aplicam três princípios principais:

  • A verdade: esse princípio consiste em dizer, ouvir, transmitir a verdade e saber como criar um clima de relacionamento sem conflitos para enfrentar dificuldades.
  • A escolha: este princípio é aquele que permite compreender as suas escolhas e assumir a sua responsabilidade e as consequências das suas escolhas.
  • Lucidez: o princípio da compreensão de si mesmo, de compreender as preocupações, intenções e motivações, bem como as dos outros.

Finalmente, o trabalho de Will Schutz permite compreender que além das competências, organização, estratégia e compatibilidade, as equipas são melhores quando os membros da equipa aplicam os três princípios. Esses princípios são as alavancas da confiança em que a liderança se baseia para alcançar resultados cada vez maiores. Liderança, confiança e desempenho estão intimamente ligados.


(1) Em Liderança e Confiança, Alain Duluc, DUNOD.

(2) Will Schutz foi um dos maiores psicólogos americanos da segunda metade do século XX. É o autor da abordagem “Elemento Humano”, que visa resolver problemas organizacionais e permitir que indivíduos, equipas e organizações alcancem todo o seu potencial. Cegos popularizou esta abordagem em formações de referência bem conhecidas em França sob o nome de “Método Schutz”.

(3) No termo militar, eles também são chamados de Salas de Operação, ou Postos de Comando (CPs), com o objetivo de coordenar ações ao mais alto nível estratégico de grandes grupos do exército.

(4) Firo: uma teoria tridimensional do comportamento interpessoal, New York, Rinehart, 1958, WSA, 1989.


Autor: Alain Duluc

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe