Os 7 Pecados da Passividade “Simpática”

Por o 2 Agosto 2018

Em época tradicional de férias inevitavelmente temas como a procrastinação, a inércia e a tendência para o aumento de uma atitude mais passiva surgem como fontes de preocupação das organizações, na tentativa de minimizar os impactos na produtividade decorrentes não só da ausência de colaboradores em férias, como de um “mindset” relativamente generalizado de apatia nos que, ou ainda não foram de férias, ou acabaram de regressar.

 

 

Neste artigo, debruçamo-nos sobre um estilo de passividade, a que chamamos “passividade simpática” que, precisamente pelo seu caracter “simpático”, tendemos não só a negligenciar, como frequentemente a potenciar (em nós próprios e nos outros), podendo com isso contribuir para a sua acentuação.

O(a) passivo(a) “simpático(a)” é o tipo de pessoa que, aparentemente, está “de bem com a vida”, compreende tudo o que o rodeia, aceita tudo e todos tal como são, raramente toma decisões ou posições mais firmes, e geralmente colabora com tudo o que lhe pedem. É, para muitos, o melhor tipo de funcionário, de colega e até mesmo amigo, que nunca reclama, não se impõe, ajuda em tudo e transmite consistentemente um sentimento de aceitação plena de todos e das circunstâncias da vida.

Conheça, no entanto,  os “7 pecados da passividade simpática”, que estão frequentemente mascarados por detrás dos comportamentos observáveis, e que poderão ser sinais importantes a estar alerta, para desenvolver em si, ou ajudar os que lhe são próximos a superar.

 

1 – Gula

O passivo “simpático” tem, ele próprio, uma “fome” de aceitação dos outros, sentindo por esse motivo uma extrema necessidade de agradar a todos os que o rodeiam. Elogios e formas diversas de reconhecimento são a sua maior “guloseima”, por isso se convive frequentemente com um, lembre-se que para ele é importante saber o que valoriza nele.

2 – Avareza

Este tipo de pessoa pode por vezes revelar alguma “avareza”, não no sentido de apego dos bens materiais (pelo contrário são frequentemente generosos e pouco materialistas), mas o apego pelo que é (ou sente como) seu, tendo alguma dificuldade em abdicar de algo, ou largar tarefas e rotinas a que estão acostumados. Se observar esta resistência, analise primeiro se o que está em causa não é apenas um receio de largar, e ajude a pessoa a perceber o que vai ganhar com novas experiências.

 

3 – Luxúria

No caso da passividade “simpática”, a luxúria manifesta-se no sentido mais original do termo: “deixar-se dominar por paixões”. Talvez devido a aspetos ligados a insegurança, revelam tendência a desenvolver alguma dependência emocional, e deixarem-se levar por entusiasmos e emoções fortes quando alcançam alguma conquista porque ansiavam. Será importante ajudar a que a pessoa se sinta segura, de forma a evitar que se deixe levar pelos entusiasmos temporários.

 

4 – Ira

As pessoas com tendência a comportamentos mais passivos têm muita dificuldade em lidar com criticas e com os lados mais negativos das situações, tendendo a bloquear, paralisar ou fugir perante problemas, criticas, ou situações mais indutoras de stress. No caso do passivo “simpático”, dificilmente o irá ver com manifestações de ira, porque considera que esse é um comportamento “socialmente reprovável” ou que fará com que os outros se afastem dele, mas será importante ajudá-lo a perceber e aceitar que a raiva é em si uma emoção primaria, tão importante como as restantes.

 

5 – Inveja

O pecado da inveja está associado ao facto da pessoa ignorar as suas bênçãos e o que possui, e ficar concentrado nas posses e status de outros. Esta é claramente uma característica das pessoas passivas, que tendem a desvalorizarem-se e admirarem apenas o que lhes é exterior. Se é de alguma forma afetado(a) por este “pecado”, procure formas de melhorar o seu autoconhecimento e aprender a valorizar os seus pontos fortes.

 

6 – Preguiça

O passivo simpático gosta de viver dentro da sua zona de conforto, tendo receio de arriscar e dificuldades de tomar decisões e assumir responsabilidades. Por esse motivo com frequência não têm um projeto de vida definido, não fazem planos e procrastinam com grande facilidade. Será importante refletir sobre os ganhos e perdas dessa tendência e desenvolver uma autoconfiança que permita assumir mais riscos.

 

7 –  Orgulho

Na passividade “simpática”, o pecado do orgulho manifesta-se no movimento contrário ao sentido original do termo. Aqui, torna-se pecado exatamente pela ausência do mesmo. A pessoa desvaloriza-se de tal forma que deixa de ter vaidade em si mesma, tornando-a por vezes demasiado submissa aos outros. Tal como na preguiça, é extremamente importante reforçar competências a nível de autoconhecimento e autoconfiança.

 

Se se identifica com alguns destes “pecados” não se preocupe, felizmente estes não são capitais e está apenas nas suas mãos desenvolver as suas competências de assertividade e proatividade!

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe