A atitude “SIM”

Por o 16 Dezembro 2019

Aceitar as ideias dos outros para uma construção conjunta, escutá-los e levar em conta as suas propostas, dar-lhes a sensação de serem compreendidos, deixar de lado as nossas certezas para melhor escutarmos e darmos feedback. Se estes são os principais valores da improvisação teatral, por que não os aplicamos ao mundo corporativo?

A força do “SIM”

Numa equipa, todos os elementos podem contribuir com uma “pedra” para o “edifício”; e dizer “SIM” é o primeiro passo para fazer avançar os projetos, já que somos alimentados pela riqueza e o positivismo do outro. Ao destacar os demais, conseguimos uma colaboração serena e mostramos que confiamos também uns nos outros.

O “SIM” desenvolve o poder da escuta, da agilidade, da valorização do outro e da atenção às ideias. Dá-nos todas as ferramentas para alcançarmos um objetivo comum. Além do “SIM”, há o “SIM E AINDA MAIS…” que nos permite ir ainda mais longe. Mesmo que algumas propostas tenham sido abandonadas ao longo do caminho, ninguém se sentirá ofendido, porque o que tiver sido construído, terá sido construído com base nas ideias de todos.

 

 

“Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá em grupo.” Provérbio africano

 

O novelo de lã

Pense naquele dia em que todos saem de uma reunião de equipa na qual todas as propostas foram rejeitadas. Sentimentos como frustração e deceção surgem, porque não se verificou nenhum progresso no projeto discutido… Por outro lado, imagine desenvolver cada uma das ideias, tal e qual se desenrola um novelo de lã. No seu estado bruto não faremos nada com isso… Mas se desenrolarmos mais o fio poderemos criar uma peça de vestuário!

Se numa história um dos protagonistas recusa, nada acontece. Mas se ele recusa e propõe outra coisa, a história avança, contudo, um dos personagens corre o risco de ficar frustrado.

Exemplo:

– Gostavas de atravessar aquele rio para tentar encontrar um tesouro?
– Não, porquê?
– Ah… ok…”

Por outro lado, com um estado de espírito de abertura e aceitação, a história pode sempre ir mais longe.

Exemplo:

“- Gostavas de atravessar aquele rio para tentar encontrar um tesouro?
– Sim, que tal levarmos o barco para atravessar o rio?
– Sim, e se eu fosse buscar coletes salva-vidas para o caso de…
– Sim, e se eu fizesse remos maiores para irmos mais depressa…
– Sim, e se…

O “SIM” é uma ferramenta crucial para abordar a relação com a outra pessoa de uma forma diferente, adaptando-se à mudança, gerindo emoções, stress, conflitos, etc… O “SIM” abraça valores como a escuta, a liderança, a ousadia e a construção coletiva.

 

Como trabalhar para o “SIM”?

A força do “SIM” é adquirida pela prática do “SIM”. Esta prática pode ser desencadeada pela formação e pelas virtudes da improvisação. A improvisação teatral, por exemplo, permite que pratiquemos de forma lúdica e espontânea, associando as facetas emocional e intelectual.

Acima de tudo, o uso da improvisação é uma poderosa força motriz na experiência da aprendizagem para desenvolver uma abordagem dinâmica capaz de envolver toda equipa.

A improvisação em contexto formativo é:
Um verdadeiro trabalho conjunto de confiança mútua;
A realização do objetivo pessoal e do objetivo comum.

Pense nisso: O “SIM” tem mais força do que o “NÃO”. O “SIM” permite-nos ser ouvidos pelo outro, que se sentirá envolvido. Impor-se através do “NÃO” é frustrante. Colaborar com o “SIM” é uma atitude construtiva.

 

*Artigo originalmente publicado AQUI.
Autor do artigo: Alain Duluc

Para saber mais sobre este tema, recomendamos a formação CEGOC Técnicas de apresentação

/5 - Voir tous les avis

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Avatar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Subscreva o Blog

For security reasons, JavaScript and Cookies must be enable in your browser to subscribe